SETEMBRO 21

São Paulo, 05 de outubro de 2021.


Caros(as) cotistas e parceiros(as),


A Era do Gelo 2

A volatilidade da temperatura na Terra se assemelha ao que vemos nos mercados de ações.


Um estudo da Instituição Smithsonian, uma organização americana de pesquisa associada a vários museus, tentou estimar o clima na Terra dos últimos 500 milhões de anos. Os resultados são impressionantes. Parte por conta da criatividade dos cientistas em encontrar formas de estimar a temperatura do planeta, seja nas rochas, nas crostas de gelo ou fósseis encontrados pelo caminho.


Parte também por conta dos resultados em si. Engana-se quem imagina que a Terra esteja só agora passando por um aquecimento global. Na verdade, na maior parte dos últimos 500 milhões de anos, a temperatura foi mais alta da que estamos vivendo hoje, conforme mostra o gráfico abaixo.


Mas por que a temperatura da Terra varia com o tempo? Os estudos científicos apontam para várias causas. Algumas delas são independentes do que acontece na superfície terrestre ou com os seres vivos que a habitam. Os ciclos solares, por exemplo, variam a intensidade que a radiação solar atinge a Terra ao longo do tempo.


Além disso, o movimento de translação e o próprio eixo da Terra sofrem pequenas oscilações ao longo de centenas de milhares de anos. Com uma inclinação mais obtusa, as calotas polares ficam mais expostas ao sol, promovendo um aquecimento global.


Porém, estudos indicam que o maior contribuidor para a oscilação de temperatura na Terra é a emissão de gases de efeito estufa (GHG), mais especificamente a emissão de gás carbônico (CO₂). Os GHG estão naturalmente presentes na atmosfera e absorvem parte da radiação infravermelha emitida pelo Sol e refletida pela Terra.

Ao limitar o escape desse calor ao espaço, a temperatura do planeta aumenta. Sem eles, a temperatura seria extremamente baixa (em torno de -18º C) e inabitável para grande parte das espécies vivas hoje.


Ao longo da história, cientistas apontam que os ciclos de aumento ou diminuição de CO₂ na atmosfera coincidem com os ciclos de variação da temperatura.


O Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno (PETM), por exemplo, foi um período de 170 mil anos, que aconteceu cerca de 56 milhões de anos atrás. Crocodilos podiam viver nas calotas polares e a região da linha do Equador era praticamente inabitável. A temperatura da Terra era na média 12º C maior que a atual.


Cientistas acreditam que o principal motivo para o PETM foi uma intensa atividade vulcânica, que liberou uma enorme quantidade de CO₂ na atmosfera, aumentando os impactos do efeito estufa, aquecendo o planeta.


O ciclo de equilíbrio natural do carbono é um ciclo longo. O aumento do CO₂ na atmosfera estimula, por exemplo, a propagação de algas marinhas que o absorvem e o sedimentam no fundo do oceano. Em uma escala de centenas de milhares de anos, o ácido carbônico que cai com as chuvas reage com o cálcio e o magnésio da crosta terrestre formando rochas sedimentares. A maior parte do carbono do mundo está presa nessas rochas. Isso fez com que as temperaturas eventualmente caíssem, após o PETM.


O que isso tudo significa? A evidência científica aponta para uma relação direta entre a quantidade de carbono na atmosfera e a oscilação da temperatura do planeta. A Terra possui mecanismos naturais de equilíbrio, para compensar esses ciclos de carbono. Porém, esses ciclos são longos, de centenas de milhares ou de milhões de anos.


Estamos vivendo no Antropoceno, a era dos Humanos. A queima de combustíveis fósseis e outras atividades após o início da Revolução Industrial têm aumentado significativamente a quantidade de CO₂ na atmosfera e, por consequência, a temperatura do planeta.


Oscilações da temperatura da Terra são processos naturais, resultantes dos ciclos solares, da inclinação do eixo do planeta e dos próprios ciclos do carbono. Porém, o aumento da temperatura ao longo dos últimos 100 anos (na mesma proporção que caiu nos últimos 6.000 anos) não pode ser explicado pelos modelos científicos como um processo exclusivamente natural. Ele é produto da atividade humana.


Winter is coming

Um dos assuntos mais recorrentes nos últimos tempos em discussões de mercado foi o risco da indisponibilidade de insumos energéticos para a atividade econômica global. Na Europa, a falta de gás natural fez com que os custos de energia elétrica para a população subissem. Gás natural também é um importante insumo para a indústria de fertilizantes, que já teve que cortar sua produção, impactando os custos de toda a cadeia de alimentos.


Na China, a redução forçada da produção de energia termelétrica a carvão tem impactado também vários setores. A produção de aço na China deve cair 10% no 2º semestre de 2021 em comparação a 2020 e outros setores também sofrerão impactos.


Mas o que está por trás dessa falta de insumos? Já argumentamos aqui que estamos vivendo um ciclo de alta de preços de commodities. A falta de investimentos na indústria, junto com um choque de demanda por estímulos do governo, faz com que os balanços de oferta e demanda fiquem apertados.


Além disso, a preocupação ambiental com a redução de emissões de carbono também desestimulou novos investimentos em produção de combustíveis fósseis. A China é hoje uma das maiores poluentes em níveis absolutos (quantidade de emissões de GHG) e também em níveis relativos ao PIB.


Por que essa discussão é relevante?

A alta de preços de energia acontece quando os governos estão considerando retirar os estímulos econômicos pós-pandemia. Preços altos de gasolina, diesel e gás natural colocam uma pressão altista de juros ainda maior para bancos centrais de países emergentes.


Ainda não podemos precisar qual cenário que teremos pela frente. Por ora, acreditamos que os riscos de uma desaceleração econômica global seguirão mais altos e ainda não veremos retrocesso na agenda ambiental. A reunião da COP26, conferência das Nações Unidas sobre as mudanças climáticas, no início de novembro, poderá trazer maior clareza sobre essa visão.


Para o Fed, banco central dos EUA, país que é auto-suficiente em energia, a alta de preços de petróleo deve ser vista como transitória, não levando necessariamente a juros mais altos. Porém, um evento raro pode acontecer. Preços altos de petróleo e um dólar forte no mundo. É melhor que este inverno no hemisfério norte seja mais ameno.


O futuro

O final do ciclo de estímulos dos diferentes governos demanda certa cautela, mas seguimos otimistas com a capacidade de as empresas continuarem crescendo. Seguimos atentos aos riscos e oportunidades relacionados à agenda climática e seus rumos. Os preços de commodities energéticas podem continuar pressionados, pressionando os bancos centrais de países emergentes a aumentar os juros. Os Estados Unidos podem novamente descolar desse ciclo, mantendo um ritmo de crescimento relativamente mais alto. Seguimos comprados em ações, no dólar e em algumas commodities.


Agradecemos a confiança,


Dahlia


contato@dahliacapital.com.br


+55 11 4118-3148


CRÉDITOS FINAIS:

Cartoon: Emily Greenhalgh (disponível em: https://www.emilygreenhalgh.com/art.html)

Gráfico 1: Smithsonian Institution National Museum of Natural History, adaptado por N. Desai/Science (disponível em: https://www.science.org/news/2019/05/500-million-year-survey-earths-climate-reveals-dire-warning-humanity)

Gráfico 2: produzido pela Dahlia Capital com dados de climate.gov e NOAA (National Centers for Environmental Information)








2,048 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

A Dahlia Capital Gestão de Recursos Ltda. (“Dahlia Capital”) é uma sociedade devidamente autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM para o exercício da atividade de administração de carteiras de valores mobiliários, na categoria “gestora de recursos”. As informações, materiais ou documentos aqui disponibilizados não caracterizam e não devem ser entendidos como recomendação de investimento, análise de valor mobiliário, material promocional, participação em qualquer estratégia de negócio, solicitação/oferta/esforço de venda ou distribuição de cotas dos fundos de investimento aqui indicados. A Dahlia Capital não realiza a distribuição de cotas dos fundos de investimento sob sua gestão e o investidor interessado deve iniciar relacionamento e/ou direcionar sua intenção de investimento junto aos distribuidores/plataformas indicados na aba "como investir". As informações e materiais aqui dispostos não constituem assessoria ou consultoria jurídica, contábil, regulatória, fiscal ou de qualquer outra natureza em relação às alternativas de investimento e/ou assuntos diversos contidos nos documentos. A Dahlia Capital não se responsabiliza pela exatidão ou completude das informações, nem por decisões de investimento tomadas com base nas informações aqui contempladas. Algumas das informações aqui contidas podem ter sido obtidas de fontes de mercado. Mesmo com todo o cuidado em sua coleta e manuseio, a Dahlia Capital não se responsabiliza pela publicação acidental de dados incorretos, ou por quaisquer outros erros, omissões ou pelo uso de tais informações. As informações, materiais ou documentos aqui disponibilizados têm caráter meramente informativo e não consideram objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades individuais e particulares de cada investidor, além de não conterem todas as informações que um investidor em potencial deve considerar ou analisar antes de investir em um fundo de investimento. Antes de investir, é recomendada ao investidor a leitura a lâmina de informações essenciais, se houver, o regulamento e os demais documentos regulatórios aplicáveis do fundo de investimento, notadamente o capítulo que trata sobre os fatores de risco a que o fundo poderá estar exposto (encontrados no site da CVM). O investidor deve sempre se basear, exclusivamente, em sua opinião e na opinião de profissionais especializados por ele contratados para opinar e decidir sobre os investimentos que melhor se enquadram em seu perfil, levando em consideração sobretudo os riscos e custos/taxas aplicáveis. Fundos de investimento mencionados neste documento podem utilizar estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em significativas perdas patrimoniais para seus cotistas, podendo inclusive acarretar perdas superiores ao capital aplicado e a consequente obrigação do cotista de aportar recursos adicionais para cobrir o prejuízo do Fundo. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, do custodiante ou de qualquer mecanismo de seguro ou ainda do Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Não há qualquer promessa ou garantia de performance, sendo que eventual referência de rentabilidade passada ou histórica não representa garantia de rentabilidade futura. A Dahlia Capital não se responsabiliza por decisões, atos ou omissões do investidor ou de profissionais por ele consultados e/ou contratados.
 

PRIVACIDADE


O acesso e navegação a qualquer área deste site, a realização de aplicações em fundos de investimento cujas carteiras são geridas pela Dahlia Capital, o estabelecimento de relação comercial/contratual ou o fornecimento espontâneo de dado pessoal sob qualquer meio à Dahlia Capital são atividades sujeitas aos termos de nossa Política de Privacidade e Segurança da Informação. Recomendamos a leitura atenta e integral de referida Política antes de realizar qualquer uma dessas atividades. Em caso de dúvidas ou discordância com qualquer disposição de nossa Política, é possível entrar em contato com a Dahlia Capital por meio dos canais indicados na Política. No caso de investidores/cotistas de fundos sob gestão da Dahlia Capital, recomendamos que o contato seja feito diretamente com seu respectivo distribuidor/plataforma de investimentos. Ao acessar/navegar em nosso site, você autoriza a coleta de seus dados por meio de cookies nos termos e para as finalidades descritas em nossa Política.