Carta da Equipe de Gestão Out/18

São Paulo, 06 de novembro de 2018.

Caros cotistas, investidores e parceiros,

Estamos preparados para uma guinada liberal?

A confirmação de Jair Bolsonaro como o 38º presidente do Brasil (19º presidente democraticamente eleito) foi inegavelmente o fator mais importante para os mercados locais. Além disso, outubro foi também marcado por uma intensa volatilidade nos mercados globais. O índice de ações norte-americano S&P500 caiu quase 7%, uma das maiores quedas mensais dos últimos 10 anos. Ainda acreditamos que o processo gradual de alta de juros nos EUA e incertezas sobre o crescimento econômico global foram os principais motivos para essa realização, impulsionada também por resultados mais fracos de empresas de tecnologia.

Na carteira, mantivemos uma posição comprada em ações e opções de estatais. Essa estratégia nos deixou passivamente mais comprados à medida que o mercado foi subindo. Ao longo do mês, fomos reduzindo nossa posição para realizar lucros e refletir a nova precificação dos ativos. Também reduzimos nossa posição no México, pela deterioração do cenário local.

A utopia da direita

As eleições trouxeram um claro otimismo aos principais círculos de discussão sobre os mercados. Contudo, este otimismo é frequentemente comedido. Há ainda muita desconfiança sobre a capacidade de o novo governo executar o ajuste fiscal e qual a velocidade do mesmo.

Sim, nós também temos essa preocupação. Por outro lado, questionamos também se não estamos ignorando o risco de uma significativa guinada liberal na condução econômica do país. Vale lembrar que o presidente eleito não escondeu, ao longo do processo eleitoral, a sua escolha de ministro da Fazenda e suas políticas liberais.

Em recente artigo ao jornal O Estado de São Paulo, o economista José Márcio Camargo afirmou que o governo Bolsonaro deverá adotar uma política econômica “mais liberalizante que a maioria dos governos pelo menos desde 1930”.

Por que então temos tanta dificuldade em aceitar o cenário otimista dessa guinada? Acreditamos que parte das razões dessa desconfiança esteja na formação acadêmica, cultural e religiosa dos brasileiros (e até dos latino-americanos).

Em “A Corrupção da Inteligência”, o antropólogo Flávio Gordon descreve como a classe intelectual brasileira foi influenciada a aceitar a ascensão da esquerda ao poder. A propagação no país dos ensinos de Antonio Gramsci, filósofo marxista italiano, desde meados da década de 1960 coincidiu com o desenvolvimento de nosso sistema universitário e das pós-graduações. Na academia, na cultura e na mídia, o pensamento liberal foi perdendo espaço para pensamentos mais alinhados ao comunismo. Na obra, o autor mostra a evolução histórica desse processo.

Sob uma outra perspectiva, ao longo das últimas décadas, o autor acredita que fomos expostos a muito poucos autores e ideias liberais. Isso dificulta a propagação e aceitação dessas ideias, criando inclusive barreiras psicológicas para a negociação com o Congresso nacional.

Mas o que isso significa para a economia?

Nós acreditamos que esta guinada liberal já esteja acontecendo, ainda que de forma gradual, desde a implementação de reformas do governo Temer. Teto de gastos, reforma trabalhista e a indicação de técnicos para a gestão de estatais foram medidas nessa direção.

Obviamente, não podemos assegurar se ou quando essas políticas liberais vão se intensificar. Contudo, acreditamos que as consequências podem ser extremamente relevantes para a economia, potencialmente rompendo vários de nossos paradigmas.

De uma forma geral, acreditamos que medidas liberais podem ter três grandes impactos:

1) Juros mais baixos – a introdução da nova taxa de juros (TLP) e redução da presença do BNDES na carteira de crédito total reduzem a necessidade do Banco Central praticar taxas de juros acima da neutra para implementar sua política monetária. Além disso, ao comparar o Brasil com outros países emergentes, as métricas fiscais e de endividamento ainda destoam para cima. A reforma da previdência e uma prudente agenda fiscal também levariam os juros estruturalmente para baixo.

2) Inflação mais baixa – ao abrir a economia, permitir maior concorrência, reduzir os custos de transação e aprovar a independência do banco central, o governo pode estruturalmente trazer a inflação para baixo. Mesmos os preços regulados podem cair, uma vez que carregam um peso muito alto de impostos (30% para energia elétrica, 43% para a gasolina e 23% para o diesel) e, no futuro, juros mais baixos reduzem o retorno requerido pelos agentes, gradualmente reduzindo tarifas.

pdf-file-xxl.png

3) Maior crescimento – a abertura do mercado para novos investimentos, licitações pragmáticas e não ideológicas de projetos de infraestrutura, aumento da taxa de poupança, reformas microeconômicas e maior eficiência nas agências reguladoras podem aumentar a produtividade e fomentar o crescimento econômico.

Vale dizer que não estaremos sempre apostando nesse cenário. Esta deveria ser uma mudança gradual, com sinais positivos e negativos pelo caminho. Como gestores de recursos de terceiros, devemos exercer cautela e prudência. Há muitos riscos de o ajuste não ser bem-sucedido. Por outro lado, acreditamos que há uma chance significativa de o Brasil dar certo.

Reduzimos nossa posição no México

Como já escrevemos anteriormente, a equipe de gestão da Dahlia tem experiência também em analisar renda variável e renda fixa em diversos países na América Latina. Em meados de junho, compramos uma posição de ações mexicanas, por acreditar que a moeda e o valuation das ações estavam atraentes e a retórica populista do recém presidente eleito (Andrés Manuel Lopez Obrador – AMLO) havia moderado. Com a subsequente valorização das ações e antecipando um evento que poderia ser binário (o referendo sobre o novo aeroporto da Cidade do México) reduzimos significativamente nossa posição.

Mas o que foi esse referendo? Durante a campanha presidencial, AMLO criticou a construção de um novo aeroporto na Cidade do México, por custos e suspeitas de corrupção. Apesar de estar 30% completo, AMLO ajudou a promover um referendo popular para decidir sobre a continuidade ou não do projeto. 70% foram contra dos apenas um milhão de votantes. O projeto do aeroporto por si só não é tão significativo para a economia. Contudo, a percepção sobre potenciais mudanças de postura pró-mercado aumentou a percepção de risco dos investidores. Estaremos no México nas próximas semanas, avaliando novas oportunidades de investimento, após a recente queda do mercado local.

E o futuro?

A dinâmica e a precificação dos ativos brasileiros mudaram de patamar. Ainda acreditamos que a bolsa ofereça um excelente risco-retorno. Adicionamos ao longo de outubro, uma posição comprada em SMAL11, uma cesta (ETF) de ações de pequenas empresas (small caps). Acreditamos que esse é um dos melhores instrumentos para aproveitar o próximo movimento de alta do mercado, por ser um índice mais diversificado e mais concentrado em empresas domésticas e menos em estatais, bancos e exportadoras, como é o Ibovespa. Ah! E fizemos a primeira negociação da história da B3 (antiga Bovespa) em opções de SMAL11!

Obrigado pela confiança,

Dahlia Capital

contato@dahliacapital.com.br

+55 11 4118-3148

pdf-file-xxl.png

DISCLAIMER: 

A Dahlia Capital não se responsabiliza por decisões do investidor, nem por ato ou fato de profissionais especializados por ele consultados. O investidor deve se basear, exclusivamente, em sua opinião e na opinião de profissionais especializados por ele contratados, para opinar e decidir. Este material não pode ser reproduzido, copiado ou distribuído para terceiros, total ou parcialmente, sem a expressa concordância da Dahlia Capital. Esta carta não se caracteriza nem deve ser entendida como uma promessa ou um compromisso da Dahlia Capital de realizar as operações ou estruturar os veículos de investimento aqui descritos. Esta carta não se caracteriza e não deve ser entendida como consultoria jurídica, contábil, regulatória ou fiscal em relação aos assuntos aqui tratados. Este material é meramente informativo, não considera objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades individuais e particulares e não contém todas as informações que um investidor em potencial deve considerar ou analisar antes de investir. Não deve ser entendido como análise de valor mobiliário, material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro ou investimento e não configura sugestão ou consultoria jurídica. A Dahlia Capital não se responsabiliza por erros, omissões ou pelo uso das informações contidas neste material.

Créditos Finais:

Gráficos: Bloomberg e Dahlia Capital

Fotos: iStock Photo

Artigo A Direita Saiu do Armário, de José Márcio Camargo, no Jornal O Estado de São Paulo em 27/10/2018

CONTATO

Rua Joaquim Floriano, 940 cj 21

São Paulo - SP - CEP 04534-004

(11) 4118-3148 / 4118-3146

contato@dahliacapital.com.br

Dahlia Capital - 2020